*

*
*

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Ignacio Ramonet / "Cinco Olhos" ... da rede Echelon







"Cinco Olhos" e da rede Echelon

Neste artigo: Cyberwar , Echelon , Espionagem , Estados Unidos , Internet
 +
nsa-escalão
Echelon. Foto: Lybia360
Sempre, permanentemente, esses olhos curiosos olhando-o, 
em casa ou na rua, no trabalho ou no bar, 
noite e dia: não há possível privacidade 

George Orwell em 1984
Quinze anos atrás, e em nome da "proteção necessária" para a população, o arsenal de medidas de controlo e vigilância, que desde a Segunda Guerra Mundial não tinha parado reforçou literalmente explodiu.
Tudo começa na primavera de 1941, no conflito mundial. Para penetrar no segredo da famosa máquina de codificação alemã Enigma [1], considerada inviolável, os Estados Unidos e o Reino Unido decidir para selar um SIGINT [2] aliança e cooperar na informação. Eles trocam os seus protocolos de coleta de informações, compartilhar os seus códigos, e unificar a terminologia. analistas norte-americanos, que tinham acabado de decifrar o código japonês PURPLE, Londres transmitido suas habilidades e conhecimento [3]. Americanos e britânicos também concordam sobre a forma de gerir a informação recolhida e telecomunicações interceptado por todos os meios possíveis (rádio, radar, cabos, etc.).
Através desta colaboração, os serviços de inteligência e militares norte-americanos, especialmente a equipe de criptógrafos britânicos agrupados em torno de Alan Turing em Bletchley Park (Buckinghamshire), finalmente, alcançado em 1942, quebrando o Enigma [4] código. Os dois países assinaram, em seguida, Março de 1943, o acordo BRUSA, o que coloca os primeiros alicerces de um sistema global de vigilância em massa e intercepção de telecomunicações em estreita colaboração com as principais indústrias de comunicação.

Os acordos UKUSA

Apenas guerra, e para continuar a espionar as comunicações em todo o mundo, são os britânicos que defendem manter a aliança com Washington, que deseja entrar no Canadá, Austrália e Nova Zelândia. A partir de setembro de 1945, o Presidente dos Estados Unidos, Harry Truman, se envolver em negociações secretas concorda em criar, em tempos de paz, uma aliança SIGINT entre todos estes países. Em março de 1946, na véspera da Guerra Fria, e no intuito de espionar a União Soviética e seus aliados, o acordo UKUSA segredo importante e superior [5] entre os serviços de informação de cinco países de língua Inglês foi assinado: a agência precursora a Agência de Segurança Nacional (NSA) [6], localizado em Fort Meade (Maryland, Estados Unidos); as Government Communications Headquarters (GCHQ), localizada em Cheltenham, Inglaterra; Direcção Sinais de Defesa (DSD), com sede em Kingston (Austrália); o Estabelecimento de Comunicação de Segurança (CSE), instalada em Ottawa (Canadá); eo Governo Communications Security Bureau (GCBS), com sede em Wellington (Nova Zelândia). Esta aliança, também conhecido como os cinco olhos (cinco olhos), é historicamente a primeira colaboração internacional oficial embora secretariado para o acompanhamento das comunicações globais. Ao longo da Guerra Fria (1948-1989), intercepções internacionais alcançar níveis e qualidade até então desconhecido.
Dentro de avião durante o período de McCarthy da "caça às bruxas", o Federal Bureau of Investigation (FBI) de John Edgar Hoover [7] não hesitou em violar a correspondência, ouvindo ilicitamente telefone conversas e no lugar micros nas casas de pessoas suspeitas de serem comunistas, homossexuais ou simplesmente não aderir à política do governo dos EUA, incluindo grandes escritores e artistas como Ernest Hemingway, John Steinbeck, Norman Mailer, Pete Seeger ou Gabriel García foram Marquez [8]. Tudo sem autorização judicial.

"Como um ladrão silencioso ..."

No início de 1950, e no âmbito do acordo UKUSA, os cinco países signatários [9] decidir, no stealth completo, lançar a rede Echelon, um sistema global de intercepção de comunicações privadas e públicas tem-se mantido desconhecido do público há mais de 40 anos [10].
Echelon é o resultado de uma decisão política. É uma rede global de dezenas de satélites espiões e bases fortes de escuta espalhados por todo o mundo [11]. Ainda hoje você pode "ouvir" os cabos submarinos de fibra óptica, e pode interceptar conversas telefônicas, fax, SMS, e-mails ... Usando computadores super-eficientes, inúmeros agentes são capazes de selecionar e solicita todas essas comunicações por alguns palavras-chave usadas na troca de correspondência, e através da voz, mesmo em diálogos orais.
Este controle da máquina formidável, secretamente criado após a Segunda Guerra Mundial cinco potências anglo-saxão -o Cinco olhos-, sua rede se estende por todo o planeta através da ligação a satélites e cabos que atraem a maior parte de comunicações do mundo [12 ]. Echelon pode registrar até dois milhões de conversas por minuto ... A sua principal missão é espionar os governos (amigo ou inimigo), partidos políticos, sindicatos, movimentos sociais e empresas. Quinze grandes bases espalhadas interceptar comunicações em todo o mundo que os computadores super-potentes NSA "rastreados", em seguida, detectando palavras específicas em vários idiomas [13].
Como parte do Echelon, serviços de inteligência norte-americanos e britânicos foram capazes de estabelecer um longo e secreto de colaboração, o que resultou no sistema de vigilância mais poderosa do mundo, usado para ambas as missões militares como política e económica. As informações recolhidas pela Echelon são dirigidas e dissecadas na sede da NSA, não muito longe de Washington. Lá, "depois de cercas impressionante de metal eletrificada [...], uma nuvem de cérebros realizar actividades tão variadas como as principais línguas oficiais analista linguagem SIGINT, especialista lingüista-cryptanalyst, um especialista em pesquisa linguística, um especialista em criptoanálise, engenheiro criptoanálise, cryptanalyst máquina qualificado, análise de especialistas de sinais, programador, programador, operações de coleta de driver de conversações entre peritos sinais, as radiofrequências, especialista em gestão, matemático cryptanalyst, analista de pesquisa, instrutor Cryptanalyst qualificados manualmente em criptologia, examinador do polígrafo, polígrafo CIA [14] ". Eles examinaram, durante sessenta anos, quase todas as comunicações do mundo. "
Echelon escritor anglo-australiana escreve Terry Hayes nunca descansa, nunca dorme. Patrol pelo grande vácuo do espaço, sem necessidade de ar, comida, conforto; Ele funciona como um silêncio em centros ladrão de fibra óptica globais, e inúmeros pilotos radomes [15] -manojos bolas de golfe gigantescas bases militares espalhadas pelo mundo. Em suma, Echelon, ouvindo todas as comunicações electrónicas na Terra, é uma vasta rede electrónica de satélites tão secreto que nem mesmo os cinco países de língua Inglês [16] que criou durante a Guerra Fria ter reconhecido a sua existência.
Os bilhões de bytes de dados que Echelon registra cada nanosegundo são carregados remotamente em uma série de supercomputadores, entre os mais rápidos do mundo (o Roadrunner, da IBM, refrigerado a água) localizado na sede da NSA, em Fort Meade, Maryland. Lá, principais programas secretos usar palavras-chave, frases padronizadas, ainda de acordo com relatos também o reconhecimento segredos-speech, para remover quaisquer fragmentos que merece uma mais completa investigação [17].

Fichados todos!

No final da Guerra Fria, acreditava-se que a vontade política para escutar maciçamente em comunicações desapareceria. Mas o boom da Internet no momento, e instalações excepcionais oferecidos pela Rede, conseguiu vencer a decisão de continuar e ampliar a vigilância.
Desde 1994, uma lei-o segredo de Assistência Communications para Law Enforcement Act (CALEA) [18] -autoriza o governo dos Estados Unidos para ouvir chamadas telefónicas privadas.Mas, para se adaptar ao progresso tecnológico e, principalmente, a evolução da Internet, o Congresso alterada várias vezes sentia cada vez mais intrusiva, especialmente em 2004 e 2006. Em uma base regular, como ele mudou o uso de comunicações , agências federais dos EUA pressionaram empresas de Internet e Congresso para alcançar novas adaptações da lei sobre vigilância e espionagem.
Por exemplo, em novembro de 2010, o diretor do FBI Robert S. Mueller, foi para o Vale do Silício para se reunir com executivos do Google e Facebook, e convencê-los de que autorizar a instalação de sistemas que permitam o FBI para interceptar e decodificar mensagens de todos os clientes das duas empresas globais. O FBI também queria convencê-los a impor as suas subsidiárias no exterior obrigados a desviar todas as suas comunicações com servidores instalados nos Estados Unidos, onde seriam analisadas antes de sua reroute destino final [19].
Controlará também se estende para os europeus que viajam de avião para os Estados Unidos. Nos termos de um acordo entre as autoridades federais UE e dos EUA, algumas informações pessoais são entregues pela transportadora com os costumes dos Estados Unidos, sem o consentimento do viajante [20]. Mesmo antes de o viajante entra no avião, as autoridades dos Estados Unidos conhecem o seu nome, idade, endereço, número de passaporte e cartão de crédito, a sua saúde, suas preferências alimentares (que pode refletir a sua religião ), suas viagens anteriores, e assim por diante.
Esta informação é passada através de um filtro chamado CAPPS (Computer Assisted passageiro Pré-Screeing, ou computador de sistema de controlo preventivo auxiliado) para detectar quaisquer suspeitos. Cruzando a identidade de cada viajante com as informações da polícia, o Departamento de Estado, o Ministério da Justiça e arquivos de bancos, CAPPS avalia o grau de perigo do passageiro e atribui um código de cores: verde para inofensivos, amarelo para casos duvidosos, e vermelho para aqueles que impedem de embarcar no avião. O programa de Segurança de Fronteiras autoriza os funcionários aduaneiros para ser fotografado todos os viajantes que entram nos Estados Unidos e impressões digitais. Se o visitante é muçulmano ou originário do Oriente Médio, é creditado código amarelo oficialmente como suspeito.
Os latino-americanos também estão no centro das atenções. Sabe-se que 65 milhões de mexicanos, 31 milhões de colombianos e 18 milhões de centro-americanos foram agendados para os Estados Unidos sem o seu conhecimento. Em cada guia incluir a data e local de nascimento, sexo, identidade dos pais, uma descrição física, estado civil, número de passaporte e profissão declarada. Muitas vezes, esses arquivos recolher outras informações confidenciais, como endereços pessoais, números de telefone, conta bancária e de matrícula do veículo. Também fez impressões digitais. Todos os latino-americanos são dedicados a Washington o rótulo gradualmente.

Will mundo mais seguro?

"O objetivo é criar um mundo mais seguro. Você precisa ser informado sobre os riscos apresentados por pessoas que entram nosso país ", disse James Lee, um dos responsáveis ​​pela ChoicePoint, empresa que comprou esses arquivos para revenda às autoridades dos EUA [21]. Na verdade, a lei proíbe a Administração dos EUA para armazenar informações pessoais, mas não proíbe você perguntar a uma empresa privada para fazer isso por ela ...
Instalado perto de Atlanta, a ChoicePoint [22] não é uma empresa desconhecida. Em 2000, durante a eleição presidencial na Flórida, suas Tecnologias de banco de dados controlada (DBT) foi contratado pelo governador do estado para reorganizar suas listas eleitorais. Resultado: milhares de pessoas (especialmente Africano americanos e pobres, que tendem a votar nos democratas) foram privados de seu direito de voto, que mudou o resultado da eleição, que ganhou o conservador George W. Bush por apenas 537 votos à frente de democrata Al Gore ... lembre-se que esta vitória permitiu o acesso GW Bush para a presidência pela primeira vez [23].
Os estrangeiros não são o único objeto do aumento da vigilância nos Estados Unidos. cidadãos norte-americanos não escapam dessa paranóia. Como se vê, os novos controles que autorizam a Patriot Act têm questionado a privacidade e confidencialidade da correspondência. Pesquisadores podem acessar as informações pessoais dos cidadãos sem mandato de inscrição. O FBI pode pedir bibliotecas para fornecer-lhe com a lista de livros e sites consultados pelos assinantes para detectar, a partir desses dados, um "perfil intelectual" de cada leitor [24] ...

Total Information Awareness

Mas o mais louco de todos os projetos de forma ilegal massiva espionagem é que redigiu o Pentágono chamado Total Information Awareness sistema (TIA) da vigilância total de informação [25], encomendado general John Poindexter (que foi condenado em 1980 por ser o instigador do caso Irã-Contra ou Irangate [26]). O projeto é coletar uma média de quarenta páginas de informações sobre cada um dos sete bilhões de pessoas no planeta, e confiar em sua bateria hiperordenadores tratamento.
Com o processamento de todos os dados pessoais disponíveis cartão -Pagamentos de crédito, assinaturas de mídia, transações bancárias, telefonemas, consultas de Internet, e-mails, redes sociais, registros médicos, arquivos policiais, relatórios de seguros, as listas de companhias aéreas, informações de segurança social, etc., o Pentágono pensa definir a rastreabilidade completa de cada pessoa que vive na Terra. Oficialmente, ele abandonou este projecto totalitário; mas, na realidade, todos os seus objectivos permanecem no subsolo, e uma das missões atuais da NSA é levá-los [27].
Como no filme Minority Report [28], as autoridades acreditam que podem, assim, evitar crimes antes de serem confirmadas: "haverá menos privacidade, mas mais segurança, diz John. L. Petersen, presidente do Instituto de Arlington [29]; graças à interligação de toda a informação pertinente que você pode antecipar o futuro. Amanhã vamos conhecer todos vocês [30]. "
notas
[1] Enigma é uma máquina eletromecânica portátil usado para criptografar e descriptografar informações. Considerado inviolável, ele foi usado principalmente pelo exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial.
[2] A informação origem eletromagnética em Inglês Signals Intelligence, ou SIGINT, a coleta de informações cujas fontes são comunicações que utilizam ondas (rádio, TV), um radar ou ferramentas de telemetria. Além de escutas telefônicas, a SIGINT inclui e-mails de acompanhamento e redes sociais, o que coloca problemas óbvios de respeito pela vida privada, (Fonte: Wikipedia).
[3] Ver Simon Singh, O Livro Código: The Science of Secrecy do Egipto ao Quantum Cryptography, Quarto Estado, 1999; edição em espanhol: Os códigos secretos; a arte ea ciência da criptografia, do antigo Egito para a era da Internet, Debate, Madri, 2000.
[4] Alan Turing, matemático, físico e grande criptógrafo britânico, que foi projetado primordialmente o método para quebrar o código Enigma, e plantou os alicerces da ciência da computação e computadores modernos. Veja Enigma de Michael Apted (1982), e especialmente para Morten Tyldum A Imitação Jogo de 2014 (em Espanha foi lançado com o título Decifrando a Enigma e na América Latina com o código de El Enigma).
[5] O Reino Unido-Estados Unidos Acordo Intelligence Communications America (UKUSA) é um acordo de troca de informações multilateral assinado entre o Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. Você pode ver todos os documentos originais relativos a esta aliança, bem como o texto integral do acordo sobre o site da NSA (https://www.nsa.gov/public/_info/declass/ukusa.shtml).
[6] A NSA, a Agência de Segurança Nacional, é um órgão competente do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, e foi criada em 1952, reunindo as várias agências de inteligência militar (exército, marinha, aviação ...)
[7] Cf. o filme de Clint Eastwood, J. Edgar, 2011.
[8] El País, Madrid, 05 de setembro de 2015.
Alemanha, Suíça, Japão, Filipinas, Taiwan, Dinamarca, Turquia, Noruega: [9] que os países mais tarde chamado de "terceiro" seria adicionado.
[10] O público não vai saber sobre isso até 24 de fevereiro de 1999, quando The New York Times publicou um artigo descrevendo em detalhe o funcionamento do sistema Echelon.
[11] Cf. Philippe Rivière, "Le système Echelon", Le Monde Diplomatique, julho de 1999.
[12] Na rede Echelon, consulte Sébastien-Yves Laurent, Atlas du renseignement. Geopolítica du pouvoir, Paris, Les Presses de Sciences Po, 2014, pp. 124-129.
[13] Cf. Christophe Ventura "La Bataille du ciberespaço" Mémoire des luttes, 14 de junho de 2013 (hhtp: //www.medelu.org/la-bataille-du-cyberespace).
[14] Rémi Kauffer, Histoire Mondiale des segredos serviços, Paris, Perrin de 2015.
[15] Um radome (radar e cúpula) é uma barraca, tenda, sob a forma de enorme bola de golfe branca, que, no campo ou ouvir intercepção de comunicações, é usado para proteger uma antena gigante de visão a fim de não revelar sua orientação (Fonte: Wikipedia).
[16] Cf. Bernard Cassen, "Cinq yeux, une seule langue" Mémoire des luttes, 01 de agosto de 2013 (http://medelu.org/cinq-yeux-une-seule-langue).
[17] Terry Hayes, estou Pilgrim, Simon & Schuster, 2015; edição em espanhol: Eu sou Pilgrim, Salamandra de 2015.
[18] https://askcalea.fbi.gov. A propósito de CALEA, ver também o dossier pela equipe Associação Electronic Frontier Foundation (https://www.eff.org.fr/fr/issues/calea).
[19] The New York Times, 16 de novembro de 2010.
[20] Os passageiros que chegam do exterior a um país da União Europeia também estão incluídos no arquivo de dados sobre os passageiros europeus (chamados PNR, Passenger Name Record). Após os ataques em Paris a partir de 13 de novembro de 2015, e depois de muita hesitação, a Comissão das Liberdades Cívicas (LIBE), adoptada em 10 de Dezembro de 2015, uma proposta da Comissão Europeia, adoptada pelos Estados-Membros da UE e sobre a qual o Parlamento Europeu teve de decidir no início de 2016. a proposta autoriza a criação deste arquivo, e exige que as empresas que prestam serviços no velho Continente para transmitir informações sobre os viajantes (nome, número de conta bancária, um trânsito, etc.) para a polícia e as informações dos países membros. Os dados são conservados durante cinco anos por infracções terroristas, e quatro anos para crimes graves contra o crime transnacional (tráfico de drogas, armas, pessoas, lavagem de dinheiro, crimes cibernéticos, etc.)
[21] La Jornada. México, 22 de abril de 2003.
[22] Em 2008, a ChoicePoint foi adquirida pela empresa LexisNexis Group, uma subsidiária, por sua vez, o maior grupo editorial internacional Reed Elsevier (que, entre outras coisas, organiza o Salon du Livre de Paris).
[23] The Guardian, Londres, 5 de Maio de 2003.
[24] The Washington Post Nacional Edição semanal, 21 maio - 27 abril de 2003.
[25] Ao longo dos protestos dos defensores da privacidade, mudou o nome para Terrorism Information Awareness (TIA). Veja Mattelart, Histoire de la société de l'information, Paris, La Découverte, 2003; edição espanhola: História da Sociedade da Informação, Polity Press, 2002.
[26] Na década de 1980, alguns membros da administração Reagan vendidos ilegalmente armas para o Irã, considerado "inimigo" pelos Estados Unidos. Eles usaram os rendimentos destas vendas para financiar segredo, apesar da proibição explícita do Congresso, um movimento contra-revolucionário na Nicarágua, os "Contras", que mantiveram uma luta armada legítima contra o governo sandinista de Daniel Ortega. Como parte da "Guerra Fria", a administração Reagan tentou, assim, derrubar um governo considerado "comunista", localizado em uma área que Washington acredita preservar sua privado.
[27] Cf. Infra nossa entrevista com Julian Assange, pp. xxxx
[28] Steven Spielberg, Minority Report de 2002, baseado em um romance de Philip K. Dick.
[29] Localizado perto de Washington DC, Instituto TheArlington (http://www.arlingtoninstitute.org) é um centro de pesquisa prospectivo especializado no estudo de "mudanças globais no futuro."
[30] El Pais, Madrid, 04 de julho de 2002.
(Capítulo do livro "Empire of Watch", apresentado em Cuba pela Editorial José Martí)

Gregory Elich [*] / As relações dos EUA com a Coreia do Norte em tempos de mudança

As relações dos EUA com a Coreia do Norte em tempos de mudança


por Gregory Elich [*]
'.Os próximos meses podem revelar que direção vão tomar as relações entre os EUA e a Coreia do Norte sob a administração Trump. Após oito anos de "paciência estratégica" e reequilíbrio da Ásia, essas relações agora estão no seu ponto mais baixo desde há décadas. Muitas das elites da política externa dos EUA expressam frustração pelo fracasso de Washington em impor a sua vontade à República Popular Democrática da Coreia (RPDC), vulgarmente designada como Coreia do Norte. Há um crescente apelo a uma mudança na política, mas que tipo de mudança têm em mente os diversos protagonistas nos EUA? Talvez estejamos na altura de uma grande transição.

O Presidente Trump tem dado sinais contraditórios sobre a Coreia do Norte que vão desde dizer que está aberto ao diálogo a insistir que a Coreia do Norte não pode possuir armas nucleares e que ele poderia resolver esta disputa com uma simples chamada para a China. É justo dizer que qualquer mudança no sentido da política é possível, embora interesses profundamente arraigados possam influir na resistência a qualquer movimento positivo.

Além da sua frequentemente expressa linha dura em relação à China, Trump pelo contrário ainda não demonstrou muito interesse nos assuntos da Ásia-Pacífico. Isto pode provavelmente significar um adiamento para os seus conselheiros, e que o bom senso possa prevalecer. Quanto maior influência os assessores de Trump tiverem na política com a Coreia do Norte, mais perigosas se tornam as perspectivas.

Mike Pompeo, Diretor da CIA, acredita que o Irão e a Coreia do Norte cooperaram no que chama de "uma parceria do mal" [1]. Ele também apelou à mobilização do poder económico e militar contra a RPDC. [2]

'."Grupos de reflexão" têm produzido uma série de violentos documentos, cheios de recomendações para a nova Administração. As suas opiniões vão evidentemente cair em ouvidos receptivos entre os conselheiros de Trump. Quanta influência têm na tomada de decisões do Trump é outra questão, porém ele está a ouvir uma única mensagem quer dos que estão ao seu redor quer dos interesses estabelecidos em Washington.

Um tema comum, que aparece nos documentos políticos dos "grupos de reflexão" (think tank) é a insistência em punir a China pelas suas relações com a RPDC.

Eis uma visão geral do que os principais think tanks e responsáveis militares dos EUA propõem sobre como Trump deve lidar com a Coreia do Norte:

U.S.-Korea Institute (...)
American Enterprise Institute (...)
U.S. Navy Commander Skip Vincenzo (...)
Brookings Institute (...)
Former USFK Commander Walter Sharp (...)
Council on Foreign Relations (...)
Rand Corporation (...)
Center for a New American Security (...) 


Está para ser visto em que medida Trump prestará atenção a tal(is) conselho(s). Mas a totalidade do establishment da política externa e os media de referência estão unidos numa firme oposição a qualquer resolução genuinamente diplomática da disputa. Trump exprimiu um cepticismo saudável quanto aos relatórios de inteligência da CIA. Se esse cepticismo será estendido também aos conselhos provenientes dos think tanks de Washington é uma questão em aberto.

Se o objectivo destas propostas é provocar a desnuclearização da Península Coreana, então elas são receitas para o fracasso. Mas se a intenção é impor adversidades económicas ao povo da Coreia do Norte, ao mesmo tempo que aproveita a questão nuclear como pretexto para dominar a região, então estes think tanks sabem o que estão a fazer. Como sempre, considerações humanas nada significam quando se trata de servir interesses corporativos e imperiais, e se forem plenamente cumpridas não será surpresa se tiverem êxito em trazer à Península Coreana o mesmo caos e destruição que provocaram no Médio Oriente. Só se pode desejar que vozes mais razoáveis prevaleçam durante a formulação política.

Mudança política na Coreia do Sul: Um divisor de águas potencial 

O que nenhum dos documentos políticos trata é o papel que a Coreia do Sul tem de desempenhar. É simplesmente assumido que o status quo continuará e que a Coreia do Sul acompanhará qualquer acção que os EUA optem por adoptar, não importando quão dura ou perigosa. Na mente do establishment de Washington, trata-se de um relacionamento mestre-servo e nada mais.

THAAD.Que coreanos, do norte e do sul, possam ter os seus próprios objectivos e interesses não é considerado. Os realmente espantosos protestos em massa contra a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, os quais levaram ao seu impeachment, abriram um mundo de possibilidades. Seja o que for que aconteça nos meses pela frente, não será como o habitual. Decisores políticos dos EUA estão em pânico com a perspectiva de um governo mais progressista e independente tomar o poder após a próxima eleição na Coreia do Sul e isto é o que está por trás dos planos para apressar a instalação de uma bateria THAAD antes do programado. Mas num certo sentido, pode já ser demasiado tarde. Park Geun-hye, e implicitamente suas políticas, foi totalmente desacreditada. Pode bem acontecer que quanto mais duras as medidas que Washington queira impor à RDPC, menos possam contar com a cooperação da Coreia do Sul. E poderia ser isto a impedir os Estados Unidos de temerariamente mergulharem a Península Coreana no caos ou mesmo na guerra.

Vamos imaginar que um governo mais progressista tome o poder na Coreia do Sul, empenhando-se no diálogo com o seu vizinho do Norte e assinando acordos sobre cooperação económica. Se os EUA estivessem assim inclinados, poderiam trabalhar em conjunto com um tal governo na Coreia do Sul para reduzir tensões e desenvolver laços económicos com a RDPC. Ligações ferroviárias e de gás poderiam cruzar a Coreia do Norte, conectando o Sul com a China e a Rússia, e proporcionando um impulso económico para toda a região. A Coreia do Norte e do Sul poderiam desviar recursos de necessidades militares para civis e começar a desmantelar estruturas nacionais de segurança do estado. A questão nuclear deixaria de importar. Todas estas coisas poderiam ser feitas, mas exigiriam uma mudança de mentalidade em Washington e uma disposição para desafiar todo o establishment.

Infelizmente, é muito mais provável que tensões continuem a ser agravadas. A confrontação de longo prazo com a Rússia e a China tem sido a nota chave da política estado-unidense, levando ao cerco daquelas nações por um anel de bases militares e sistemas de mísseis anti-balísticos. A reequilibragem para a Ásia tem como objectivo reforçar o poder militar em torno da China. A Coreia do Norte, neste contexto, serve como justificação conveniente para a dominação militar e económica dos EUA da Ásia Pacífico.

O programa nuclear da Coreia do Norte não é uma ameaça à Paz mundial 

Por que o programa de armas nucleares da Coreia do Norte é considerado uma ameaça inaceitável, enquanto o de outras nações não é? Por que não vemos os Estados Unidos imporem sanções ao Paquistão pelo seu programa nuclear, por conduzir jogos de guerra no Oceano Índico ou invadir a Índia? Por que não ouvimos apelos à mudança de regime em Israel devido ao seu programa nuclear?

Em vez disso, o Paquistão é o quinto maior receptor de ajuda americana, estando previsto receber 742 milhões de dólares este ano, a Índia recebe um décimo dessa quantia, e os EUA assinaram recentemente um acordo de cooperação militar com o Paquistão. [16] Relativamente a Israel os Estados Unidos comprometeram-se a fornecer 28 mil milhões de dólares de ajuda militar ao longo dos próximos dez anos. [17]

Que se passa no seu programa de armas nucleares que faz com que a Coreia do Norte seja sancionada e ameaçada, enquanto os EUA calorosamente abraçam outros? Índia, Paquistão e Israel têm programas nucleares que são muito mais avançados que os da Coreia do Norte, com consideráveis arsenais e bem testados mísseis balísticos. A grande diferença é que a Coreia do Norte é a única destas quatro nações que enfrenta uma ameaça existencial dos Estados Unidos e, portanto, tem a maior necessidade de uma força de dissuasão nuclear.

Não há nenhuma ameaça da Coreia do Norte aos EUA. Ainda não foi testado um míssil de reentrada na atmosfera e portanto não pode ser dito que tem os meios de colocar uma arma nuclear nos EUA. Além disso, a Coreia do Norte nunca terá mais do que um pequeno arsenal em relação ao tamanho do possuído pelos EUA, pelo que as suas armas nucleares só podem ter um papel dissuasor.

A "ameaça" que apresenta o programa nuclear da Coreia do Norte é duplo. Uma vez que a Coreia do Norte tenha conseguido completar o desenvolvimento do seu programa, os EUA perderão qualquer possibilidade realista de atacá-lo. Quer os EUA exerçam essa possibilidade ou não, desejam manter em aberto essa opção.

O outro aspecto da "ameaça" é que se a RPDC tiver êxito no estabelecimento de um programa eficaz de armas nucleares, outras pequenas nações que enfrentam a hostilidade dos EUA podem sentir-se encorajados a desenvolver programas nucleares, reduzindo assim a capacidade dos Estados Unidos imporem a sua vontade sobre outros povos.

É difícil ver a razão pela qual a Coreia do Norte desistiria do seu programa nuclear. Por um lado, de acordo com estimativas do Departamento de Estado dos EUA, a Coreia do Norte está a gastar entre 15 a 24% do seu PIB nas suas Forças Armadas. [18] Isto é insustentável para uma economia em recuperação, e as armas nucleares são baratas em comparação com as despesas de forças armadas convencionais. A Coreia do Norte está a colocar grande ênfase no desenvolvimento económico, e um programa de armas nucleares permite-lhe transferir mais recursos para a economia civil. [19]

A História recente também mostrou que uma pequena nação que dependa de forças militares convencionais não tem hipóteses de se defender contra um ataque dos Estados Unidos. Para uma nação como a Coreia do Norte, as armas nucleares representam o único meio de defesa.

Um Tratado de paz não é uma garantia de paz 

A Coreia do Norte atribui grande importância à assinatura de um Tratado de Paz. Após mais de seis décadas, desde o fim da guerra da Coreia, um Tratado de Paz é um objectivo digno e há muito devido. Mas se a RPDC imagina que um Tratado de Paz lhe proporciona uma medida de segurança, acho que é um erro. Os EUA estavam oficialmente em paz com cada uma das Nações que atacaram e arruinaram.

Que tipo de garantias os Estados Unidos podem possivelmente dar à Coreia do Norte, para garantir a sua segurança em troca do desarmamento? Poderia ser assinado um acordo, mas as promessas feitas não significam nada. A Líbia deve ser recordada: assinou um acordo de desarmamento nuclear com uma administração dos EUA, apenas para ser bombardeada pela seguinte. Nenhuma promessa verbal ou escrita pode fornecer qualquer medida de segurança.

O registo unilateral dos negociadores dos EUA dificilmente se torna um incentivo para a Coreia do Norte efectuar qualquer medida de desarmamento. Por exemplo, logo após os Estados Unidos terem assinado em Setembro de 2005 um acordo conjunto com a Coreia do Norte, o negociador americano Christopher Hill procurou tranquilizar o Congresso dizendo que os Estados Unidos não estavam prestes a começar a normalização das relações com a Coreia do Norte, mesmo que isso fosse precisamente o que o acordo obrigava a fazer.

A normalização das relações, explicou ao Congresso, estaria "sujeita à resolução das nossas preocupações de longo prazo. Por isso, entendo que como parte necessária do processo que conduza à normalização, devemos discutir questões importantes, incluindo os direitos humanos, programas de mísseis balísticos, armas químicas e biológicas, proliferação de armas convencionais, terrorismo e outras actividades ilícitas." A Coreia do Norte "teria que se comprometer com normas internacionais e provar as suas intenções."

O objectivo de Christopher Hill foi claro. Mesmo que a Coreia do Norte se desnuclearize totalmente, as relações mesmo assim não se moveriam em direcção à normalização. A Coreia do Norte seria confrontada com uma série de exigências adicionais. [20]

Com efeito, longe de começar a normalizar as relações, dias após a assinatura do acordo de Setembro de 2005, o Departamento do Tesouro designou o Banco Delta Ásia sediado em Macau como uma das "preocupações principais quanto a lavagem de dinheiro" apesar da ausência de qualquer evidência para apoiar esta afirmação.

As empresas financeiras dos Estados Unidos foram obrigadas a cortar relações com o banco, o que levou a uma onda de saques por clientes em pânico e o encerramento do banco. O objectivo do Departamento do Tesouro foi encerrar uma das principais instituições que a Coreia do Norte usava para conduzir comércio internacional normal. Esta acção matou o acordo.

A lição Líbia 

O acordo nuclear líbio fornece o modelo que Washington espera que a Coreia do Norte siga. Esse acordo compeliu a Líbia a desmantelar o seu programa nuclear, como condição prévia para receber qualquer recompensa, e só depois desse processo estar completo muitas das sanções contra a Líbia foram levantadas. Demorou contudo mais de dois anos para tirar a Líbia da lista de patrocinadores do terrorismo e restabelecer relações diplomáticas.

Após uma análise mais aprofundada, essas "recompensas" parecem antes uma redução do castigo. Pode dizer-se que a redução de sanções é uma recompensa? Se alguém está batendo e depois promete reduzir o número de espancamentos, será isso uma "recompensa" para alguém? Não pareceu assim para os líbios, que muitas vezes se queixaram de que autoridades dos EUA não os haviam recompensado pelo cumprimento do acordo. [21]

O que os EUA ofereceram à Líbia, foram mais exigências. Logo no início, o subsecretário de Estado John Bolton disse a funcionários líbios que teriam de suspender a cooperação militar com o Irão a fim de concluir o acordo de desnuclearização. [22] Em pelo menos uma ocasião, um responsável dos EUA pressionou a Líbia a eliminar o comércio militar com a Coreia do Norte, Irão e Síria. [23]

Responsáveis dos EUA exigiam que a Líbia reconhecesse a independência unilateral do Kosovo, uma posição a que Líbia consistentemente se opôs. [24] Isto foi seguido por uma nota diplomática dos EUA à Líbia, ordenando-lhe votar contra uma resolução do governo sérvio nas Nações Unidas, que pedia uma decisão do Tribunal Internacional de Justiça sobre a independência do Kosovo. [25] Dadas as circunstâncias, a Líbia preferiu estar ausente na votação, ao invés de se unir aos EUA e a três outras nações contra a medida.

Os Estados Unidos conseguiram, no entanto, obter o voto da Líbia para sanções da ONU contra o Irão. [26] Em resposta às directivas dos EUA, a Líbia aconselhou repetidamente a Coreia do Norte a seguir o seu exemplo e proceder à desnuclearização. Sob pressão dos EUA, a Líbia lançou também um programa de privatizações e abriu oportunidades para as empresas dos EUA.

As autoridades dos EUA instaram muitas vezes os norte-coreanos a tomar nota do acordo com a Líbia e aprender com o seu exemplo. Hoje em dia, esse exemplo parece bastante diferente, dado o bombardeamento da Líbia com aviões de guerra dos EUA e mísseis. Pela sua cooperação com os Estados Unidos o Coronel Kadhafi foi recompensado com espancamento, empalado com uma baioneta e assassinado. Há de facto uma lição neste caso, e os norte-coreanos tomaram devida nota disso.

A verdadeira ameaça à paz 

É tempo de desafiar a narrativa ocidental estandardizada. Sob a lei internacional sobre o espaço, cada nação tem o direito de lançar um satélite em órbita, apenas à Coreia do Norte é negado esse direito e condenada. Os Estados Unidos, com mais de mil testes nucleares, [27] reagem com indignação a cinco da Coreia do Norte.

Citando o analista político Tim Beal, "a construção da Coreia do Norte como um pária internacional é uma expressão do poder americano ao invés de, como geralmente é reivindicado, resultado de uma violação do direito internacional. Na verdade, as acusações discriminatórias contra a Coreia do Norte são uma violação das normas do direito internacional e da igual soberania dos Estados." [28]

Desde 1953, a Coreia do Norte nunca esteve em guerra.

Durante este mesmo período, para listar apenas uma amostra das intervenções, os EUA derrubaram o governo da Guatemala; enviaram um exército de mercenários para invadir Cuba; o Vietname foi invadido e bombardeado, com o custo de 2 milhões de vidas. Bombardearam o Camboja e o Laos; enviaram tropas para a República Dominicana; apoiaram o golpe militar na Indonésia, na qual meio milhão de pessoas foi morta; organizaram um golpe militar no Chile; apoiaram extremistas islâmicos em seus esforços para derrubar um governo laico no Afeganistão. Os EUA invadiram Granada, minaram portos e armaram grupos contra o governo da Nicarágua; armaram a guerrilha de direita em Angola e Moçambique; armaram e treinaram as forças croatas e forneceram cobertura aérea para a expulsão de 200 mil pessoas de suas casas na Krajina; bombardearam metade da Bósnia; armaram e treinaram o Kosovo Liberation Army, atacaram a Jugoslávia; invadiram o Iraque; apoiaram a derrubaram os governos da Jugoslávia, Ucrânia, Geórgia, Honduras e muitas outras nações, bombardearam a Líbia, armaram e treinaram os jhiadistas na Síria.

E mesmo assim ainda dizem que é a Coreia do Norte que ameaça a paz mundial.

O ano de 2017 pode ser crucial para a península coreana. Uma população revigorada está a trazer mudanças na Coreia do Sul. Devemos juntar-nos e exigir mudanças nos Estados Unidos, também. É tempo de resistir aos sucessivos apelos para uma política externa militarista e temerária.
[1] Press Release, "Pompeo on North Korea's Nuclear Test," U.S. Congressman Mike Pompeo, January 16, 2016.
[2] Chang Jae-soon, "Trump's Foreign Policy Lineup Expected to be Supportive of Alliance with Seoul, Tough on N.K.," December 13, 2016.
[16] "Foreign Assistance in Pakistan," foreignassistance.gov
16 - Rama Lakshmi, "India and U.S. Deepen Defense Ties with Landmark Agreement," Washington Post, August 30, 2016.
[17] "U.S. Foreign Aid to Israel," everycrsreport.com, December 22, 2016.
[18] U.S. Department of State, "World Military Expenditures and Arms Transfers 2016," December 2016.
[19] Bradley O. Babson, "After the Party Congress: What to Make of North Korea's Commitment to Economic Development?" 38 North, May 19, 2016.Elizabeth Shim, "Kim Jong Un's Economic Plan Targets Foreign Investment," UPI, May 19, 2015.
[20] "The Six-Party Talks and the North Korean Nuclear Issue: Old Wine in New Bottles?" Hearing Before the Committee on International Relations, House of Representatives, October 6, 2005.
[21] "Libya Nuclear Chronology," Nuclear Threat Initiative, February 2011.
[22] U.S. Department of State cable, "U/S Bolton's July 10 Meeting with Libyan Officials, August 11, 2004.
[23] William Tobey, "A Message from Tripoli, Part 4: How Libya Gave Up its WMD," Bulletin of the Atomic Scientists, December 7, 2014.
[24] U.S. Embassy Tripoli cable, "Libya/UNSC: 1267, Iran and Kosovo, July 1, 2008.
[25] U.S. Embassy Tripoli cable, "Kosovo ICJ Resolution at UNGA — Libya," October 6, 2008.
[26] "Libya Nuclear Chronology," Nuclear Threat Initiative, February 2011.
[27] https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_nuclear_weapons_tests_of_the_United_States
[28] Tim Beal, "The Korean Peninsula within the Framework of US Global Hegemony," The Asia-Pacific Journal, November 15, 2016.


[*] Do Conselho de Administração do Jasenovac Research Institute e do Conselho Consultivo do Korea Policy Institute. É membro do Solidarity Committee for Democracy and Peace in Korea, colunista do Voice of the People, publicado em língua russa. Também é membro da Task Force to Stop THAAD in Korea and Militarism in Asia and the Pacific. Seu sítio web é https://gregoryelich.org

Do mesmo autor em resistir.info:
  • Sanções da ONU impõem sofrimento ao povo norte-coreano 
  • A mania dos mísseis: EUA e Japão ameaçam a Coreia do Norte 
  • EUA apontam para a Coreia do Norte 
  • O que preocupa os norte-coreanos? 
  • Porque Bush quer confrontar a Coreia do Norte

    O texto completo do original encontra-se em www.globalresearch.ca/u-s-north-korean-relations-in-a-time-of-change/5575474 


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
  • segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

    Lua do Alabama / Al-Qaeda Obtém um Oscar

    27 de fevereiro de 2017

    Al-Qaeda Obtém um Oscar

    Hollywood é tudo falso. Isso é o que os filmes são - representações falsas de uma realidade falsa que só existem na mente de roteiristas, diretores e uma audiência normalmente crédulo. (Divulgação: Eu gosto de alguns filmes.)
    Hollywood nunca foi tímido de plagiar. Cada idéia, conto de truque cinematográfico que fez um splash em algum lugar - e é, assim, um potencial gerador de dinheiro - será copiado repetidas vezes. Todos os sucessos obtêm um remake. E um outro.
    Em 2015, a promotora da franquia Miss Universo "interpretou mal" o nome do vencedor. Ele anunciou "Columbia" quando o vencedor escolhido foi "Filipinas". Depois de alguns minutos, ele "corrigiu" a si mesmo. Esse "erro" trouxe muita atenção da mídia adicional - e valor financeiro - para o proprietário do evento.
    A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, os EU marketing e lobby organização dos cineastas, distribui algumas recompensas anuais organizadas para promover filmes específicos ou pessoas no negócio do filme. A academia cerimônia de premiação é um evento bastante chato, mas ele recebe um monte de hype e atenção da mídia (e, assim, gera muita receita propaganda).
    Para aumentar ainda mais o seu valor este evento anos plagiou a idéia dos promotores Miss Universo. Um dos anfitriões anunciou o filme vencedor errado para alguma categoria e depois inverteu-se para anunciar um vencedor "real" diferente. Foi um "erro" tão certo quanto o último filme de Hollywood foi uma descrição da vida real.
    Aqueles sem memória entraram no frenesi desejado, os insiders bocejaram. "Oh, essa falsificação desajeitada novamente."
    Um dos preços deste ano foi para um falso "documentário" sobre um falso "salvador" grupo que faz e distribui vídeos falsos , fotos encenadas e falsas vítimas da guerra contra a Síria. Estes sidekicks da propaganda de Al-Qaeda , os capacetes brancos, são uma operação britânica da desinformação que seja financiada por mais de $ 100 milhões do dinheiro do contribuinte dos EU e do Reino Unido. Sua tarefa geral é convencer o público "ocidental" de que a guerra contra a Síria é justificada por causa da "crueldade do governo sírio" que as falsificações pretendem estabelecer na mente de seus consumidores.
    Hollywood nunca foi tímido de tomar dinheiro do governo para promover a guerra sobre este ou aquele país ou "inimigo". O escritório de ligação do Pentágono em Hollywood financia muitos filmes . Se houver alguns tanques necessários e heróis militares em um script o Pentágono vai organizar os adereços, tanques reais e soldados, sem nenhum custo - desde, claro, que ele pode ler e "corrigir" o script da maneira que entender. Os fabricantes de "Top Gun" precisam de aviões, transportadores aéreos e muitas explosões? Nenhum problema em tudo e sem custos para os produtores. Em troca pessoal de recrutamento militar vai esperar para prender cinéfilos quando saem dos cinemas. Congresso felizmente passar o dinheiro para mais inúteis aviões.
    Um Prêmio da Academia reforça a mensagem que uma produção traz e dá às pessoas por trás da mensagem um valor adicional. As empresas de marketing que criam e executam os "Capacetes Brancos" certamente receberão alguns milhões extras para a promoção do Oscar de ontem.
    Hollywood é tudo falso. O vencedor errado é anunciado e a Al Qaeda recebe um Oscar. "Nenhum dano feito", os promotores de tais falsificações poderia dizer.
    Exceto ao povo da Síria. Para eles, a destruição e a morte promovida pelas pessoas sofisticadas em Los Angeles é muito real.
    Postado por b às 10:49 AM | Comentários (27)

    Mentiras sistemáticas do serviço secreto da Coréia do Sul novamente em pauta....!

    Transmissão da notícia sobre morte de Kim Jong-nam, irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un

    Intoxicação de Kim Jong-nam não significa que Coreia do Norte possua arma química

    © AFP 2016/ Jung Yeon-Je
    ÁSIA E OCEANIA
    URL curta
    1244533

    Intoxicação de Kim Jong-nam, o meio-irmão do líder norte-coreano Kim Jong-um, pela arma química conhecida como "VX Nerve Agent" deu à sua morte um novo pretexto político. Agora está sendo discutida a possibilidade de a Coreia do Norte dispor de arma química.

    Militares sul-coreanos afirmam que há grandes chances de o país vizinho possuir cinco toneladas de substâncias tóxicas, informou a agência AP.
    Neste contexto o colunista da Sputnik Japão, Dmitry Verkhoturov, lembra que, em 2003, Iraque foi condenado pela produção e acúmulo de armas químicas. Tais alegações se tornaram pretexto para efetuar operação militar contra o Iraque que resultou na queda de Saddam Hussein. Mas, finalmente, nenhuma arma química foi encontrada no Iraque e a investigação independente de Sir John Chilcot, presidente do centro analítico The Police Foundation, que estava investigando a atividade da polícia britânica, revelou que o relatório da inteligência do Reino Unido era falso.
    Entretanto,segundo o colunista, uso de VX no aeroporto da Malásia não pode servir como prova de que a Coreia do Norte dispõe de arma química, pois a dose letal de VX no ser humano corresponde a 100 microgramas ou 0,0001 gramas para cada quilo. Por exemplo, se Kim Jong-nam pesasse 100 quilogramas, a dose letal corresponderia a 0,01 gramas. A dose utilizada teria sido insuficiente, opina colunista da Sputnik Japão, e, com exceção de Kim Jong-nam, não causou outras vítimas, incluindo os organizadores do assassinato. Além disso, os especialistas malaios não conseguiram determinar a substância imediatamente.
    É importante destacar que a pequena dose da substância tóxica VX e de outras pode ser encontrada em laboratórios que possuem autorização. A pessoa que possui curso superior em química e experiência em laboratório pode muito bem receber a substância em qualquer laboratório licenciado. Sendo assim, condenar todo um país devido a um único caso de intoxicação não parece ser correto.
    Dmitry Verkhoturov aponta que a escolha do local do assassinato e do VX como arma comprova que os organizadores não tiveram recursos e agentes suficientes para realizar atentado em um lugar mais seguro para eles. O aeroporto era o único lugar possível de se aproximar de Kim Jong-nam. Mas entrar com uma arma de fogo é tarefa difícil, já com a substância tóxica VX a história é outra: ela pode ser mistura com acetona, colocada em um recipiente inodoro e passar facilmente pela segurança do aeroporto.
    Conforme o colunista, tal cenário leva a compreender que, mesmo com recursos insuficientes, os organizadores conseguiram mexer com a política coreana, provocando conflito militar entre as duas Coreias.
    Se pensar em quem poderia se beneficiar com o assassinato, os primeiros candidatos são inimigos da Coreia do Norte, indica o columnista. A influência de Kim Jong-nam na política norte-coreana foi mínima. Algumas vezes ele foi contra o regime atual e apontou necessidade de reformas econômicas no país. Mas não pretendia se tornar líder e nem esperava voltar para o país. Sendo assim, é difícil sugerir que Pyongyang seja conivente a esse crime. Em qualquer caso, é perigoso fazer rumores sobre esse assunto e conveniência de Pyongyang, pois tais ações podem resultar em conflito grave. A participação do líder norte-coreano pode ser provada através de fatos e testemunhos que, no entanto, poderiam muito bem ser postos intencionalmente.