Tempo para Criar Nova História

Satyaki Roy
A história não foi escrito somente pelo capital. A dinâmica do capitalismo é uma expressão de antagonismo não planejada entre trabalho e capital. O ambiente neoliberal, por vezes, fazer-nos crer que são os caprichos e fantasias da classe capitalista que passar em branco e, portanto, de capital podem tornar o mundo de sua própria imagem. Nunca tinha sido assim e não seria no futuro também. Discursos que percebem a lógica capitalista como idêntica à da civilização humana são ideologicamente carregado. No entanto, até agora, o capitalismo conseguiu impor uma fachada de naturalidade sobre a regra de exploração. Esta é precisamente a razão pela qual a queda nos preços das ações tem sido de tanta preocupação para as pessoas que importam Considerando declínio acentuado na participação dos salários durante períodos de alto crescimento continua a ser conscientemente despercebido em uma sociedade que é cada vez mais insensível à causa do trabalho. Este é o momento de greve, um momento de intervenção política para os trabalhadores a levantar a voz quando silenciar suas reivindicações tornou-se o qualificador mais importante de um governo pró-ativa. Impulso recente do governo no sentido de reformas trabalhistas é nada, mas uma guerra contra a classe trabalhadora a intenção de desmantelar instituições de proteção existentes e empurre participação dos trabalhadores mais baixo em nome de flexibilidade na produção.
Pense em um país que aspira a infra-estrutura de classe mundial física, cidades inteligentes, movimento contínuo das finanças globais e assim por diante, mas mantém silêncio inquietante sobre a questão de elevar o nível de vida da população trabalhadora.Façamos uma comparação global: a porcentagem média mundial de trabalhadores que ganham menos de 2 $ por dia (PPP) é de 28, enquanto no caso da Índia é 59 por cento. Do número total de 472 milhões de trabalhadores na Índia 436 milhões que é mais do que 92 por cento são trabalhadores que não são cobertos sob as leis trabalhistas ou regimes de segurança social. Como justificar a precariedade do mercado de trabalho na Índia, onde a participação dos salários regulares e assalariados fora da força de trabalho total é de apenas 17,9 por cento? Incidência da pobreza é muito elevado para aqueles que estão empregados. O quão ridículo é que 36 por cento dos trabalhadores informais, 24 por cento da percentagem de trabalhadores independentes e 9 dos trabalhadores regulares na Índia ganhar uma renda que é menos do que a linha já muito baixo pobreza.
As reformas trabalhistas sugeridas iria proporcionar uma maior liberdade para os empregadores de contratar e demitir e também para aumentar a parcela de trabalhadores eventuais e contratados dentro da força de trabalho. Já na fabricação organizada a participação dos trabalhadores contratados aumentou de 10 por cento em 1992-93 para 34 por cento em 2011-12. Dentro de emprego não agrícola, mais de 68 por cento da força de trabalho está no sector informal que significa que seu trabalho é informal não permanente e com base em contrato. Mas é esta a atingir maior flexibilidade em resposta às flutuações da demanda global?Se isso tivesse sido o caso, então, apenas a flexibilidade funcional teria sido proposto que exige flexibilidade na estrutura do emprego e multi-tasking. Dado o fato de que este é também um meio para aumentar o controle sobre a força de trabalho, no entanto, se aceitarmos isso por causa do argumento seria de esperar que os salários mais altos para os trabalhadores contratados em comparação com os trabalhadores regulares porque os salários, nesse caso, deve levar em consideração outros benefícios relacionados ao social, segurança e assim por diante que não seria pago como é feito para o emprego a longo prazo. Mas isto não é o caso. Em vez disso, um trabalhador regular, recebe um salário diário médio de Rs 392 e salário médio do trabalhador casual é Rs 143. Portanto, o benefício implícito de precarização que os empregadores derivar em nome da flexibilidade é, basicamente, redução de salários para cerca de um terço do que tem de ser pago a um trabalhador assalariado em base regular.
São os trabalhadores na Índia realmente pago tanto que eles estão comendo os lucros dos capitalistas? Certamente que não, como os seguintes dados confirma. Primeiro de todos os trabalhadores share em valor acrescentado considerando massa salarial desceu de 47 por cento em 1981-82 para 25 por cento em 2010-11. Na fabricação organizada considerando-se apenas os salários a queda é de 25,9 por cento para 9,9 por cento durante o mesmo período o que significa para cada 100 rúpias no valor de valor criado no compartilhamento de trabalhadores da economia em termos de salários é de apenas 9,9 rúpias. Em segundo lugar, apesar de um elevado crescimento da produtividade do trabalho durante a segunda metade da década de 2000 em cerca de 6,4 por cento, o crescimento dos salários reais foi de apenas 1,4 por cento em média. Assim, os trabalhadores são mal pagos e não porque sua produtividade é baixa, ao contrário dada a sua crescimento da produtividade que recebem menos do que o que eles merecem. Em terceiro lugar, os empregadores estão dispostos a substituir trabalhadores por máquinas, porque é sempre fácil de manusear máquinas que são produtos do trabalho passado ou "trabalho morto" do que "trabalho vivo" e também impulsionada pelo imperativo de seguir padrões de tecnologia em um mercado globalizado. O resultado é, obviamente, um aumento na intensidade de capital e que deu origem a este fato surpreendente que o custo do trabalho na produção total na fabricação organizado chegou até 2,17 por cento em 2012-13. Portanto não só a produção exige um número menor de trabalhadores, mas também os trabalhadores recebem menos.
Tendo em conta os salários de fome a ser dado, e tendo em vista o aumento do trabalho e da produtividade, os trabalhadores estão justificadamente exigir um salário melhor - Rs 15.000 por mês. Esta é uma das principais exigências para que o 02 de setembro de 2015 greve está sendo organizado. Burocratas do ministério do trabalho têm tentado enganar os trabalhadores através da mídia plantada histórias que o governo Modi está a planear aumentar o salário mínimo. Este foi talvez uma tentativa de furar o crescente apoio à greve. No entanto, em nenhum fórum oficial, nem mesmo na Conferência do Trabalho, tem esta questão foi abordada pelo governo. Afinal Modi foi "marketing" da Índia em todo o mundo como um país com mão de obra "barata"!
Tendo experimentado a destruição intencional da máquina aplicação do direito do trabalho nas últimas duas décadas e meia, a renovação e fortalecimento desta maquinaria é também uma das principais exigências. Escusado será dizer que a implementação de salários mínimos legais tem sido sempre um problema. 73 por cento dos trabalhadores agrícolas, de 37 por cento dos trabalhadores rurais não agrícolas e 54 por cento dos trabalhadores urbanos não recebem os salários mínimos estipulados. Mas a batalha será travada implementação posteriormente, nas ruas, se necessário.
Histórias são criadas em momentos de crise e da classe trabalhadora do nosso país precisa subir em tais ocasiões para que as intervenções pode esvaziar trajetórias futuras que são manifestamente anti-povo.