*

*
*

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

OTAN: A inegável mãe do caos na Líbia em 2014


PDFImprimirE-Mail
Cairo (Prensa Latina) Na falta de maior sinceridade, dois chanceleres de países europeus, Itália e França, reconheceram no fim deste ano, 2014, que a agressão militar da OTAN, da qual ambos são membros, desencadeou o caos na Líbia.
Logicamente que o mea culpa é parcial: nem Paolo Gentiloni, nem Laurent Fabius questionaram a agressão militar contra um governo constitucional, mas que os resultados não têm sido os desejados já que na Líbia, hoje, o único real é o caos.

Dois governos paralelos disputam o poder, um em Trípoli, na capital, liderado por Omar al Hassi, ligado à Irmandade Muçulmana, e outro, liderado por Abdallah al Thinni, em uma remota localidade do leste do país, próxima à fronteira com o Egito com cujo apoio conta.

Os sinais de piora do conflito líbia surgiram com a deposição por uma moção de censura em julho do primeiro-ministro Alí Zeidane, submetido ao assédio político por legisladores islamistas e cuja autoridade foi derrubada quando um barco carregou petróleo em dois portos sob controle de forças separatistas.

O derrocado primeiro-ministro foi substituído por Abdallah al Thinni, ministro de Defesa em seu gabinete, que renunciaria pouco depois após ser alvo de um atentado junto a sua família, ainda que tenha permanecido no cargo até agosto a espera da formação de um gabinete aceitável para todas as forças.

Nesse ínterin, foram convocadas eleições legislativas após a irromper na cena política no princípio do ano do ex-general Jalifa Haftar, um alto oficial do Exército de Kadafi feito prisioneiro na guerra contra Chade e libertado a pedido dos Estados Unidos, país no qual residiu durante duas décadas na qualidade de refugiado.

A plataforma de Haftar foi clara desde um princípio: liquidar a influência das milícias islamistas, as quais qualifica de "escória", como única saída para a crise permanente que vive o país do norte africano.

As eleições deram um resultado surpreendente, a perda de influência dos candidatos da Irmandade Muçulmana que, como era de se esperar, não os aceitaram e nomearam um gabinete que conseguiu a aprovação do parlamento em uma votação ilegal.

O desdobramento da disputa não se fez esperar: o surgimento de dois governos e uma nova erupção de violência depois das tentativas frustradas do autoproclamado Exército Nacional Líbio, comandado por Haftar, de manter o controle do aeroporto internacional e outros centros estratégicos de Trípoli.

As forças do ex-militar voltaram a lamber suas feridas em seus batiões de Bengasi, leste, para recuperar forças e, sobretudo, negociar com al Thinni uma aliança contras as milícias islamistas, admitida pelo primeiro-ministro semanas atrás quando declarou que o ENL atua por conta de seu Governo.

Nesse contexto é preciso inserir as influências regionais que gravitam sobre a crise líbia com o Sudão, unido por estreitos laços políticos e econômicos à Irmandade Muçulmana, e Egito, a Némesis dessa confraria, exercendo pressões em sentidos opostos.

Em um plano mais discreto, França e Estados Unidos, que recusam se envolver de alguma forma no conflito, por temor ao se verem metidos em um pântano, observam os acontecimentos de uma distância prudente, mas existem indícios de que apoiam o gabinete de al Thinni.

Além disso, existe a quase certeza de que o Sudão está suprindo com armas e equipamentos as milícias islamistas através de sua fronteira norte, que é fronteiriço com o sul líbio.

A poucos dias do encerramento de 2014, a crise líbia está em sua apogeu, com uma ofensiva de Haftar sobre posições da milícia islamista Fajr Líbia em vários pontos do país e gerenciamentos do enviado da ONU Bernardino León em busca de uma saída negociada.

O louvável esforço do diplomata espanhol, alvo de um frustrado atentado com dinamite em novembro, registra como únicos avanços anúncios das partes em conflito de disposição a estabelecer negociações, cujo destino é mais que incerto.

Moisés Saab*

* Correspondente e Chefe da Prensa Latina no Egito

em/msl/bj

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Coréia do Norte & Sony : Obama apostou e perdeu ...

30 de dezembro de 2014

Obama apostou, perdeu US credibilidade cibernéticos Claims

A administração Obama afirma que a Coreia do Norte foi responsável pela Sony cortar embora análise inicial já apontava para um ataque interno por um ex-funcionário da Sony descontente.
A alegação de Obama é apoiado por alguns murmúrio FBI que inclui uma série de conjecturas mas nenhuma evidência real. Esse murmúrio FBI, provavelmente encomendado pela Casa Branca, veio depois que o FBIdisse anteriormente que não tinha provas, zero que é, que estava apontando para a Coreia do Norte.
Nós disse desde o início que reclama do envolvimento norte-coreano provavelmente falsa. Esta é de agora suportado por muitos especialistas. A Politico pedaço de ontem enumera alguns deles:
O especialista em segurança Bruce Schneier chamado de evidência "circunstancial na melhor das hipóteses" e examina uma série de outras explicações possíveis. CloudFlare principal pesquisador e DefCon oficial Marc Rogers escreveu que os indicadores do FBI parecem beneficiar de um malware que está amplamente disponível para compra e endereços IP facilmente invadida por qualquer cara mau. Da Errata Security, Robert Graham também observou a ações subterrâneas de hackers abundância de código, chamando a evidência do FBI "nonsense".
O pessoal acima são alguns dos melhores no negócio de segurança da informação.
A companhia de segurança Norse ontem informou o FBI sobre os resultados de sua própria investigação, que apontam claramente para o insider responsável pelo ataque e seus ajudantes. Mas, mesmo depois de ser informado sobre evidência real do FBI é não tomar de volta a sua afirmação falsa. Obama tem usado publicamente o subterfúgio FBI para culpar a Coreia do Norte e mudando a história agora seria muito embaraçoso para ele.
É por esta razão que alguns "oficial" anônimo está agora a mudar a história - mais uma vez sem qualquer prova - a partir de "A Coreia do Norte fez isso" para "A Coreia do Norte contratou alguém que fez isso":
Investigadores norte-americanos acreditam que a Coreia do Norte provavelmente hackers contratados de fora do país para ajudar com ciberataque maciço do mês passado contra a Sony Pictures, uma autoridade próxima à investigação disse na segunda-feira.
Isto é ainda mais risível do que o crédito original.
A Casa Branca, provável que o Conselho de Segurança Nacional sob Susan Rice, asneira sobre esta questão.Ele queria pressionar a China por culpar seu cliente a Coreia do Norte para um hack que teve apenas em fantasias de mídia para fazer com aquele país. Ele ordenou que o FBI para chegar a algum "evidência" para apoiar as suas tentativas.
Mas atribuição no ciberespaço é uma questão difícil, se não impossível e privadas investigadores encontraram indícios no mundo real que mostram que a alegada culpabilidade da Coreia do Norte é muito improvável.
Não é a primeira vez que os EUA estão levando-se em uma posição tão estranha. O Politico história citada acima inclui como segundo parágrafo:
Mesmo a decisão sem precedentes para liberar detalhes de uma investigação do FBI em curso e Presidente Barack Obama culpar publicamente o regime autoritário eremita não acalmou um coro de céticos bem qualificados que dizem que a evidência simplesmente não se somam.
Puxar na mesma comparação às reivindicações Saddam ADM que fizemos Billmon reformula esse gráfico em:
Mesmo a decisão sem precedentes de desclassificar detalhes de esforços de Saddam para a compra de minério de urânio yellowcake eo secretário de Estado Colin Powell culpar publicamente o ditador iraquiano enlouquecido não acalmou um coro de céticos bem qualificados que dizem que a evidência simplesmente não se somam.
Dificilmente alguém sério jamais voltará acreditam que os EUA sobre Armas de Destruição em Massa afirma após o governo Bush mentiu sobre armas de destruição maciça no Iraque. Dificilmente alguém sério jamais voltará acreditam que os EUA em ataque cibernético afirma após a administração Obama mentiu sobre o "Sony cortar pela Coreia do Norte".
Esta Casa Branca estragar tem, como professor de direito Jack Goldsmith escreve , consequências importantes (emph adicionar..):
Se o FBI mis-atribuído o hack Sony, será mais do que um erro embaraçoso. Esse erro pode ter levado os Estados Unidos a tomar medidas contra o alvo errado, e vai para a frente ele vai enfraquecer significativamente US atribuição credibilidade . Na verdade, mesmo que a atribuição do FBI acaba por ser certo - será que vamos saber com certeza? - a sua hesitação em face de questões credíveis sobre a sua evidência pública muito fina vai agravar a demanda por atribuição publicamente verificáveis ​​antes de contramedidas (ou outras respostas) são consideradas legítimas . Neste sentido pequena, mas significativa, os Estados Unidos perderam uma batalha nos primeiros dias de conflito cibernético .
Este não era mesmo uma "batalha" como não havia "inimigo", apenas um ex-funcionário da Sony descontente e algumas pessoas de hackers que não gostam de políticas anti-pirataria duras da Sony.
Obama arriscou - sem uma boa razão - e perdeu a credibilidade dos EUA em qualquer coisa que poderia sempre querem, com razão ou não, a afirmação sobre o cyber.
Postado por b em 30 de dezembro de 2014 em 11:27 |Link permanente
Comentários
Bem, isso é diferente do que culpar a Síria pelos ataques com gás venenoso ou Novorussians para a derrubada avião? Culpa inimigos primeiro, encontrar provas mais tarde (talvez) parece ser SOP.
Postado por: JMW | 30 de dezembro de 2014 12:02:56 |1
Eles continuam a jogar poder e credibilidade afastado sobre essas pequenas coisas. Não há imaginação deixado na elite americano.
Postado por: Crest | 30 de dezembro de 2014 12:08:04 |2
Este é apenas mais Novilíngua e os EUA usa-lo porque ele funciona exatamente como fez com a ADM do Iraque de. Os aliados de os EUA entendem isso e vai seguir o chumbo como sempre fazem.
Rumblings da classe Chattering são ignorados e você raramente vai ver os EUA de volta para baixo de suas posições.
Postado por: wayoutwest | 30 de dezembro de 2014 12:27:17 | 3

A Casa Branca, provável que o Conselho de Segurança Nacional sob Susan Rice, asneira sobre esta questão. Ele queria pressionar a China por culpar seu cliente a Coreia do Norte para um hack que teve apenas em fantasias de mídia para fazer com aquele país. Ele ordenou que o FBI para chegar a algum "evidência" para apoiar as suas tentativas.

Este é o seu modus operandi.
Quando um navio da Marinha sul-coreano afundou misteriosamente em uma água disputada perto da costa da Coréia do Norte em 2010, eles acusaram a Coréia do Norte e perseguiu uma resolução do Conselho de Segurança da ONU contra a Coreia do Norte. Isto é o que um ex-funcionário do Departamento de Estado sob a administração Clinton disse.
http://www.seoul.co.kr/news/newsView.php?id=20100604029026

Quinones observou que ele acha que "não é realista para o governo em Seul que esperar Pequim para apoiar uma resolução de sanções contra a Coreia do Norte no Conselho de Segurança."
"No entanto, o presidente Lee Myung-bak deve convencer o povo sul-coreano que ele está pressionando para a punição resoluta da Coreia do Norte. Ao pressionar por isso, ele pode culpar China para bloquear tal resolução", ele aconselhou.

Eles não esperam que China para participar de sua campanha contra a Coreia do Norte. Eles querem culpar a China por não se juntar a eles. Tudo que eles fazem contra a Coreia do Norte é, em última análise visa China.
Além disso, o naufrágio do navio da Marinha sul-coreana em 2010 foi mais um caso de falsa acusação, se não falsa bandeira.
A evidência da investigação sul-coreana apresentou, um remanescente de uma suposta um torpedo norte-coreano, foi uma invenção óbvia.
A parte torpedo foi coberta com pó branco incrustação.A investigação sul-coreano afirmou que isso era o óxido de alumínio, subproduto da explosão de uma ogiva torpedo que normalmente inclui o poder de alumínio como um impulsionador da explosão. No entanto revelou-se logo que a substância em pó branca foi hidrato de hidróxido de sulfato de alumínio, que é um subproduto da corrosão do alumínio sob a água do mar.
Isso significa que a referida prova estava sob a água do mar por um bom tempo, possivelmente vários anos e, portanto, não pode ser responsável pelo afundamento do navio da Marinha sul-coreana. A autoridade sul-coreana poderia ter vindo em sua posse, no passado, em alguma ocasião não relacionado, e tinha na loja.Quando o naufrágio aconteceu, eles poderiam ter plantado como provas falsas para enquadrar a Coreia do Norte.
http://ijy.cgpublisher.com/product/pub.187/prod.228

Contrariamente às alegações gabarito, nossos dados combinados com nossas simulações EDS mostram claramente que a identificação do JIG de dois dos pós brancos, a partir do navio afundado e torpedo fragmentos, está incorreto: aqueles em pó não são o óxido de alumínio que resulta de uma explosão, mas eles hidrato de hidróxido de alumínio são sulfato que podem ser produzidos naturalmente no ambiente de baixa temperatura (menor do que 100 ° C). Além disso, o facto de que os dados de EDS da JIG da terceira amostra, a partir do experimento de teste de explosão, é idêntica à dos dados de EDS de hidrato de hidróxido de sulfato de alumínio é uma anomalia. O teste de explosão teria produzido óxido de alumínio, em vez de hidrato de hidróxido de alumínio de sulfato. A única explicação cientificamente possível anomalia do é que os dados de EDS da explosão de teste foi fabricado.

Postado por: Puppet Master | 30 de dezembro de 2014 12:39:16 | 4
Na verdade, parece que eles sabiam a verdade o tempo todo, mas seus opressores corporativos cozinhou esta campanha publicitária em apoio do seu filme de baixa qualidade. Eles ordenhadas que receitas poderiam do Big Lie e agora vamos a verdadeira história vazar. Outro exemplo chocante de como pouca credibilidade permanece em Washington.
Postado por: WH Brewer | 30 de dezembro de 2014 13:06:47 | 5
Para ser justo, desde que EUA têm meios de comunicação e da UE / árabes em seu bolso, o Ocidente ea maioria dos UNSC vai acreditar * cada história dos Estados Unidos. (* oficialmente, não oficialmente ofc eles não são que estúpido).
BTW ADM do Iraque foi apenas uma das muitas histórias de ADM (como "uso" do Irã de armas químicas na década de 80 ou bombas nucleares míticas), e ainda todos foi rápido a acreditar Assad "gaseados seu próprio povo", logo após várias mentiras sobre a Líbia, e agora a maioria no Ocidente acreditam que Putin é responsável pela queda do avião, etc. A maioria dos meus amigos com quem falei no meu país ou no Ocidente também acreditam Sony corte foi feito por NKorea.
Portanto, eu não estou prendendo a respiração mentiras dos EUA pararam de funcionar. Público informado sabe melhor, mas apenas a sua pequena percentagem da população, enquanto grande maioria só acessar mass-media, o que lhes faz uma lavagem cerebral. Assim chamada "comunidade internacional" sabe a verdade, mas tem que cair na linha ou outra coisa. Isso vai continuar enquanto US permanece superpotência.
Postado por: Harry | 30 de dezembro de 2014 01:15:44 | 6
Este artigo diz que e-mails Sony indicam o envolvimento da CIA / Departamento de Estado na tomada da entrevista: Exclusivo: Emails Sony Diga Estúdio Exec escolheu Kim Jong-Un como o vilão de "A Entrevista"
Postado por: Karl | 30 dez 2014 01:26:08 | 7
Precisamos de dois filmes relançados: O rato que ruge e nosso homem em Havana. Depois de ver esses velhos mestres, pensar sobre o que um bom jogo da tela poderia ser produzido envolvendo Obama, FBI, a Coreia do Norte, Sony e um grupo de hackers. Os escritores poderia vir com uma história que seria bom demais para não ser verdade. HA!
Postado por: Curtis | 30 de dezembro de 2014 01:26:13 | 8
Credibilidade dos Estados Unidos vem do cano de uma arma.
Postado por: jeff | 30 dez 2014 01:49:19 | 9
Os "progressistas" chateado e gemeu por 8 anos, enquanto a direita teve seu sangue encharcado, belicista dia ao sol sob Bush. Agora eles são aliviados para chegar a ser a ovelha enganado, facilmente arrebanhados para chegar às conclusões que as elites em os EUA querem que eles têm (aprovação e aceitação da guerra encoberta / guerra econômica / NSA de espionagem). Rachaduras Isso me até como amigos meus que estavam veemente em chamando cada mentira da era Bush, agora tão bom grado engolir qualquer tipo de besteira estúpido cai para fora da boca de Oblabla sobre WMD Síria, Coréia do Norte, Rússia, Irã, ISIS, etc. O MSM, que sempre mentiu para Fundies cristãs, neocons, Israel, tortura pornô gay e criacionismo repente tem sido nada, mas aberto, sincero, honesto e franco desde janeiro 2009 porque seu menino é aquele no púlpito. E o idiota sabe que ele não tem que admitir que ele está errado ou pedir desculpas. Líderes Amerikan nunca fazer, uma vez que leva um homem de verdade que admitir quando está errado, e não temos nenhuma.
A divisão direita-esquerda é realmente uma piada.
Postado por: farflungstar | 30 de dezembro de 2014 01:50:59 | 10

Oh parar. Isso está se desenrolando exatamente como o planejado. Nada é sempre o que parece.
So. Agora sabemos que CIA-Rand-DOS conspiraram para fazer um filme sobre o assassinato do presidente NK - de modo que "a vida imita a arte". E também sabemos que os chefes de estúdio e executivos são idiotas racistas. E nós agora também sabemos que os estúdios de discriminar entre os atores masculinos e femininos através de status e salário. Quelle surpresa!
Golly. Cui bono? Quem se beneficia com a aceleração dos norte-americanos para os gananciosos tribais escumalha-sacos puxando cordas contra a humanidade? Funcionários descontentes Sony? Ou talvez outros?
Independentemente - aos responsáveis ​​eu dizer "obrigado". Mas me dê um segundo. Eu preciso pegar outro saco de pipoca e se confortável. Por favor, senhor.Mais revelações para a galeria de amendoim. :)
Postado por: vertiginoso | 30 de dezembro de 2014 14:18:55 | 11

Brasil/ Ministério Público Federal pede a prisão de agentes da ditadura


agente da ditaduraO Ministério Público Federal (MPF) de São Paulo denunciou à Justiça Federal quatro agentes da ditadura militar pela tortura e assassinato do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, em 19 de julho de 1971, nas dependências do DOI-Codi da capital paulista.
Os acusados são o ex-comandante do DOI, o famigerado coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, o delegado aposentado Aparecido Laertes Calandra e o delegado da Polícia Civil de São Paulo Dirceu Gravina. Todos são denunciados por homicídio doloso qualificado (quando há intenção de matar). Segundo o MPF, os três, “com outras pessoas até agora não totalmente identificadas, mataram a vítima Luiz Eduardo da Rocha Merlino, por motivo torpe, com o emprego de tortura e por meio de recurso que impossibilitou a defesa do ofendido”. Além deles, o médico legista Abeylard de Queiroz Orsini é acusado de falsificar o laudo necroscópico de Merlino, que afirmava que o jornalista havia morrido vítima de atropelamento.
Além da prisão dos acusados, o Ministério Público também pede o cancelamento de suas aposentadorias, o afastamento imediato de Dirceu Gravina de suas funções na Polícia Civil e a suspensão da licença médica de Abeylard de Queiroz Orsini.
Crimes contra a humanidade
Segundo o MPF, o assassinato de Luiz Eduardo Merlino é caracterizado como um crime contra a humanidade e, por isso, não prescreve nem pode ser anistiado.
Para Ângela Mendes de Almeida, ex-companheira de Merlino, “o significado dessa ação para a família é importantíssimo. Na verdade, era esse tipo de ação, uma denúncia criminal, que queríamos desde o início, quando movemos o primeiro processo na área cível, em 2008. Um crime, um homicídio, ainda mais decorrente de tortura até a morte, tem que ser punido criminalmente”.
Luiz Eduardo da Rocha Merlino tinha 23 anos quando foi assassinado. Nascido em Santos (SP), em 18 de outubro de 1948, era estudante de história na USP e militante do Partido Operário Comunista (POC). Preso em 15 de julho de 1971, Merlino foi levado ao DOI-Codi de São Paulo, onde foi barbaramente torturado, vindo a morrer em decorrência dos graves ferimentos.
Revisão da Lei de Anistia
Mais de 200 investigações já foram abertas pelo MPF para apurar casos de crimes políticos cometidos contra opositores da ditadura e, desde 2011, foram ajuizadas nove ações penais contra 22 agentes da repressão acusados de sequestros, torturas, assassinatos e desaparecimentos de presos políticos.
Porém, devido à interpretação de que a Lei da Anistia se estende também aos agentes do Estado, até hoje nenhum torturador foi punido, apesar de a Corte Interamericana de Direitos Humanos ter condenado o Brasil a investigar e punir as violações cometidas durante o período, as quais não seriam passíveis nem de anistia nem de prescrição.
Além disso, mesmo após a criação da Comissão Nacional da Verdade (CNV), uma série de dificuldades são impostas pelas Forças Armadas para que a verdade sobre os crimes cometidos durante a ditadura seja revelada, como prova a ordem do comandante do Exército, general Enzo Peri, que proíbe, na prática, os quartéis de colaborar com as investigações
Essa resistência por parte do Exército, e também da mídia burguesa, legitima a prática da tortura existente até hoje nos presídios e delegacias de nosso país e reforça a impunidade.
A menos de três meses do fim dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade, previsto para dezembro deste ano, é preciso aumentar a pressão pela revisão da Lei da Anistia, o apoio às ações do MPF no sentido de levar a julgamento os responsáveis pelas torturas, assassinatos e desaparecimentos durante a ditadura militar, além de promover movimentos e ações de massa pela memória, verdade e justiça.
Redação Rio 
A Verdade
Print Friendly

Síria :Armas apreendidas procedentes da Arábia Saudita

Apreendem armas na Síria procedentes da Arábia SauditaPDFImprimirE-Mail
  
Damasco, 29 dez (Prensa Latina) O exército sírio confiscou cinco caminhões na central província de Hama com numerosas caixas cheias de armas e materiais bélicos procedentes da Arábia Saudita destinados a grupos extremistas, relatou hoje um porta-voz militar.
A fonte informante destacou que unidades da 11Â� divisão atacaram um esconderijo da Frente Al Nusra, braço da Al Qaeda na Síria, próximo da cidade de Salamiyya, onde descobriram os veículos.

Os caminhões transportavam caixas com o rótulo "alimento de ajuda", mas em seu interior havia medicamentos de primeiros socorros, 40 foguetes tipo grad, 20 canhões de morteiro, munição de metralhadoras de 23 milímetros, barris carregados com explosivos de tipo C-4 e televisores de satélites.

Esta não é a primeira vez que os militares localizam carregamentos similares. É comum que esses transportes ingressem a partir da Turquia para fornecer armas e munições às organizações islamistas, precisou a fonte, citado pelo portal noticioso Al Masdar News.

Durante os combates na zona morreram pelo menos 19 irregulares, a maioria da Al Nusra.

O governo de Damasco acusa vários países vizinhos, em especial Arábia Saudita, Catar e Turquia, bem como os Estados Unidos e seus aliados europeus, de apoiar as formações radicais presentes em seu território nacional.

tgj/rob/bj
Modificado el ( lunes, 29 de diciembre de 2014 )

Miguel Urbano Rodrigues / Modernidade de Marx

Modernidade de Marx

Miguel Urbano Rodrigues
30.Dez.14 :: Colaboradores
A História não chegou ao fim. Continua e a crise mundial iniciada nos EUA desacreditou o neoliberalismo. Nunca foi tão necessário compreender o mundo e a estratégia da ideologia hegemónica, o capitalismo. Essa situação favoreceu o «renascimento» do marxismo. Daí a importância dos intelectuais que contribuem para a modernidade de Marx neste início do seculo XXI.

No Rio de Janeiro, em casa de uma amiga, caiu-me nas mãos por acaso um daqueles livros raros que nos lançam em meditação inesperada.
O título da edição brasileira, A Armadilha da Globalização, não é esclarecedor. Foi editado em 1998 pela Globo. Os autores são dois jornalistas alemães, Hans Peter Martin e Harald Schumann.
Hans Peter foi um dos três jornalistas convidados a acompanhar um estranho evento internacional realizado num hotel de luxo em São Francisco, em 1995. O promotor do Encontro, que não mereceu atenção dos media estadunidenses, foi Mikhail Gorbatchov. O tema era muito ambicioso: O futuro da Humanidade.
Participaram 500 representantes da chamada elite mundial, entre os quais George Bush pai, Margaret Thatcher, Ted Turner, da CNN, eminentes professores de Harvard e Oxford e economistas e sociólogos vindos da Europa, de Tóquio e Pequim.
Os debates duraram três dias e as intervenções não podiam exceder 5 minutos, com os pedidos de apartes limitados a 2 minutos.
Houve consenso relativamente a uma «tese» de David Packard, o poderoso patrão da Hewlett Packard. Apoiado em previsões estatísticas, afirmou com convicção que em meados do seculo XXI 20% da população mundial será suficiente, graças aos progressos da ciência e da técnica, para garantir o bom funcionamento da economia. Ficou implícito que uns 40% das classes médias então existentes terão uma vida agradável, mais ou menos ociosa por serem supérfluos para a produção.
Não ficou, porem, claro qual seria a função dos restantes 40%.
Nenhum participante defendeu a necessidade de eliminar essa fração sobrante da humanidade. Mas de algumas intervenções, aplaudidas, transpareceu que guerras, secas, inundações e epidemias incontroláveis contribuiriam para que a população do planeta Terra fosse reduzida ao nível considerado adequado pelos grandes do capital.
Interessado em conhecer a repercussão desse Seminário da elite da Finança mundial, soube por um amigo americano que Gorbatchov foi no final efusivamente felicitado.
A HISTÓRIA NÃO ACABOU E O MARXISMO RENASCE
A previsão sobre o Fim da História foi formulada pelo norte-americano Francis Fukuyama em l989.
Esse funcionário do Departamento de Estado, hegeliano fora de tempo, festejou prematuramente a morte do comunismo, proclamando a eternidade do neoliberalismo.
Transcorridas décadas, o seu exercício de futurologia é ridicularizado inclusive por académicos de direita.
A História continua e a crise mundial iniciada nos EUA desacreditou o neoliberalismo.
Quanto ao marxismo, voltou a despertar um enorme interesse em escala mundial.
O Manifesto Comunista tem sido reeditado em dezenas de países. Congressos sobre Marx e a sua obra são promovidos na Europa, na América Latina, na Ásia.
Em França, um Seminário sobre O MARXISMO NO SECULO XXI, promovido na Sorbonne por Jean Salem, é acompanhado na Internet por umas 30 000 pessoas. Nos últimos anos, Salem tem corrido o mundo para falar sobre Marx em universidades europeias, asiáticas, africanas e latino-americanas.
Ensaios sobre o pensamento do autor de O Capital são editados em muitas línguas.
Marxistas como o húngaro István Meszaros, o italiano Domenico Losurdo, o inglês David Harvey, o alemão Michael Krakte, o argentino Claudio Katz, os franceses Georges Labica, Jean Salem e Rémy Herrera adquiriram prestígio mundial com a publicação de trabalhos que confirmam a extraordinária atualidade da obra de Marx.
A ofensiva do capital contra as grandes conquistas dos trabalhadores posteriores à da II Guerra Mundial, desencadeada apos 1973, acentuou-se depois do fim da URSS. A contrarrevolução neoliberal, liderada por Thatcher e Reagan, tirou da gaveta as teses ultramontanas de Hayek e em poucos anos desmantelou na União Europeia o chamado «estado do bem-estar social».
A DESIGUALDADE AUMENTOU
Os mais ricos enriqueceram prodigiosamente, as massas oprimidas empobreceram e uma percentagem considerável vegeta hoje na pobreza ou numa miséria absoluta.
Um relatório da ONU divulgado em l990 informava que 358 bilionários concentravam na época um património equivalente à renda total de 45% dos cidadãos mais pobres do mundo, 2 300 milhões de pessoas. Os três primeiros da lista tinham fortunas superiores ao PIB de países com 600 milhões de habitantes. Desde então o fosso aprofundou-se, mas houve mudanças na pirâmide dos bilionários. Hoje o homem mais rico do mundo é o mexicano Slim, que ultrapassou o americano Bill Gates, da Microsoft. Essa troca de lugares é por si só esclarecedora do nível da exploração a que são submetidos os trabalhadores do México.
As relações de poder alteraram-se profundamente no último quarto de seculo. A URSS desagregou-se, a Rússia e os países da Europa Oriental não são mais socialistas; a China, sob a direção do Partido Comunista, é um gigante mundial que pratica um capitalismo atípico; e os EUA, incapazes de superar a crise estrutural do capitalismo, desencadeiam guerras de saque na Ásia e na África no âmbito de uma estratégia de dominação planetária.
Um sistema mediático perverso, que desinforma a Humanidade, tornou-se o instrumento de poder fundamental para o imperialismo. O desencadeamento das agressões contra países que os EUA pretendem ocupar e saquear é sempre precedido de campanhas que as justificam em defesa das liberdades, da democracia, dos direitos humanos…
Desmontar a falsificação da Historia é, portanto, hoje uma exigência na luta contra a alienação dos povos.
Nunca foi tão necessário compreender o mundo e a estratégia da ideologia hegemónica, o capitalismo.
Essa situação favoreceu o «renascimento» do marxismo. Daí a importância dos intelectuais que contribuem para a modernidade de Marx neste início do seculo XXI.
Já Lénine dizia que não há revolução vitoriosa sem teoria.
DAVID HARVEY
Em recente visita ao Brasil, Ivana Jinkings ofereceu-me parte da monumental obra de David Harvey, nomeadamente «Os Limites do Capital».
Publicado em 1982, esse livro não se desatualizou, pelo contrário. Ajuda-nos a compreender uma humanidade diferente, ameaçada de extinção por um sistema que, sob a máscara da democracia, é tão perigoso como o nazismo.
Harvey não é um revisionista. Em Os Limites do Capital propõe-se a facilitar o entendimento dos textos do genial filósofo alemão, «adaptá-los de maneira que possam lidar com as complexidades da nossa época».
O objetivo é compreender um tempo em que o capitalismo, como ele afirma, se consolidou em países como o México, a África do Sul e a India e conseguiu implantar- se na Rússia e na China.
Harvey nos lembra que «o significado do Estado mudou dramaticamente nos últimos 30 anos e que o principal agente de pressão nessa mudança foi algo chamado globalização». Alinha com aqueles que «consideram o Estado como um momento vital na dialéctica e na função contraditória da acumulação do capital».
Noutro dos seus livros, o geógrafo e pensador britânico define o novo imperialismo como «fusão contraditória da política do Estado e do império e dos processos moleculares da acumulação do capital no espaço e no tempo».
Harvey, creio, cumpre hoje um papel que lembra o do francês Georges Politser no início do seculo XX quando tornou o marxismo acessível a milhares de operários.
Harvey dirige-se a um público diferente, de intelectuais e jovens estudiosos do marxismo, mas isso não retira importância à sua obra.
Nestes dias de confusão ideológica em que partidos como o Syriza grego e o Podemos espanhol semeiam a confusão em meios progressistas ao surgirem com máscara de esquerda, os livros de David Harvey representam uma valiosa contribuição para o regresso de Marx.
Verifiquei, sem surpresa, no Brasil que a intelectualidade burguesa promove ali com entusiasmo o livro Marx no seculo XXI, de Thomas Pikkety. Tal como em Portugal, tentam apresentar o autor como um continuador de Marx quando, na realidade, o académico francês é um reformador do capitalismo com uma mundividência antagónica à marxista.
Neste tempo de barbárie capitalista e de luta creio que a leitura da obra de David Harvey seria útil a dirigentes de partidos comunistas europeus que acreditam ingenuamente na possibilidade de contribuírem para a futura construção do socialismo utilizando as instituições criadas pela burguesia.
Vila Nova de Gaia, 2 de Dezembro de 2014
Este artigo foi publicado na web da Editora Boitempo, de São Paulo, a 16 .12.14

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Olga Shedrova / Será a arma do preço do petróleo realmente eficaz contra a Rússia?

Será a arma do preço do petróleo realmente eficaz contra a Rússia?

por Olga Shedrova
Os EUA estão empenhados em actividades um tanto dúbias quando tentam prejudicar a economia da Rússia através da queda dos preços mundiais do petróleo.

Os Estados Unidos assumiram o comando como o maior produtor mundial, juntamente com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e a Rússia. A nova tecnologia do fracking é mais dispendiosa do que a extracção pelos métodos convencionais e não é lucrativa com preços a deslizarem para menos de 60-70 dólares por barril. A queda dos preços do petróleo deita abaixo o valor companhias por acções. Em três meses os preços das acções de companhias conhecidas como veículos condutores da "revolução energética" deslizaram em média 40%. As líderes, tais como Apache Corp (APA), ConocoPhillips (COP), EnerJex Resources Inc. (ENRJ), Marathon Oil (MRO), Continental (CLR), Noble Energy (NBL), Southwestern Energy (SWN), Anadarko (APC), Pioneer Natural Resources (PXD) tiveram os preços das suas acções afundados em 30-50% em comparação com o máximo alcançado em meados de 2014. O processo continua. A dinâmica dos preços das acções assemelha-se a bolhas esvaziadas. No mês de Novembro o mergulho dos preços do petróleo provocou uma queda de quase 40% nas permissões de novos furos emitidas nos Estados Unidos, em relação ao mês de Outubro. A retirada foi uma "resposta muito rápida" aos preços do petróleo bruto nos EUA, disse Allen Gilmer, responsável executivo chefe da Drilling Info Inc. . A perfuração offshore também está a ser afectada. A Transocean, a proprietária da maior frota de plataformas de perfuração em águas profundas, recentemente assumiu um prejuízo de US$2,76 mil milhões devido a um excesso de plataformas. A política de Washington destinada a deitar abaixo os preços do petróleo pode afectar negativamente a economia dos EUA tornando o processo uma tendência irreversível. A queda limita o acesso de companhias de energia estado-unidenses aos mercados de capitais.

Desde o princípio de 2010 os produtores de energia levantaram US$550 mil milhões em novos títulos e empréstimos quando o Federal Reserve mantinha os custos de contracção de empréstimos próximos do zero, segundo o Deutsche Bank AG. Com os preços do petróleo mergulharem os investidores estão a questionar a capacidade de alguns emissores de títulos lixo para cumprirem suas obrigações de dívida. Há um círculo vicioso. A lucratividade mais baixa reduz a capitalização da companhia fazendo-a vender activos para evitar a bancarrota. Isto provoca novas perdas de activos com a comercialização de acções a afundar-se e, a seguir, o resultado é o fracasso no reembolso de empréstimos pois o valor dos activos fica reduzido. As perspectivas da Agência Internacional de Energia (IEA) e da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para 2015 prevêem a mais baixa procura de petróleo dos últimos 12 anos. A notícia remete as acções para um mergulho a pique levando à erosão de US$1 milhão de milhões (trillion) em capitalização de mercado nos mercados globais em uma semana.

Um surto de falências em companhias de energia realmente preocupa peritos da Wall Street. Isto podia ter efeitos através de todo o sistema financeiro e dar um golpe contundente nos bancos. "Não há dúvida de que para companhias de energia com perfis de dívida mais arriscados o mercado de dívida de alto rendimento (high-yield) "está basicamente encerrado nesta etapa e há sinais de que novas aflições poderiam atingir este sector", diz o estratega senior em rendimentos fixados do U.S. Bank Wealth Management, Dan Heckman. Ele acrescenta: "Estamos a chegar a um ponto que se está a tornar muito preocupante". Sua opinião é compartilhada por Jacques Sapir, responsável do Centre d'Etudes des Modes d'Industrialization (CEMI-EHESS), o qual afirmou à Europe 1 que "A queda dos preços do petróleo poderia ter graves consequências para a extracção do gás de shale, de líquidos de shales carbonáceos e das chamadas areias betuminosas. Hoje a produção já não é mais lucrativa. Os produtores receberam grandes empréstimos de bancos americanos. A situação cria condições para ocolapso do sector bancário dos EUA .

Em consequência, o colapso atingirá fundos de pensões, investidores privados e os haveres em títulos lixo da banca – investimentos de risco que têm potencial para proporcionar alto rendimento – provocando um efeito dilacerante por todo o sistema financeiro e tornando inevitável a repetição da crise de 2008-2009.

Segundo The Prudent Bear, "Bancarrotas no sector da energia – muitas das quais resultarão em capacidade de produção a ser retirada do mercado – e a subsequente terciarização da capacidade manufactureira intensiva em energia provavelmente causarão danos que pesam muito mais do que qualquer benefício do acréscimo de consumo. A destruição de capital através da bancarrota reduz a riqueza da sociedade, a qual reduz o montante de capital disponível para cada trabalhador. Isto por sua vez reduzirá os padrões de vida a longo prazo dos próprios trabalhadores (e na verdade a sua capacidade para consumir). O consumo adicional , grande parte do qual será gasto em importações, não traz benefício que seja sequer aproximado do mesmo nível de importância". A produção de energia shale criou novos postos de trabalho. Estados petrolíferos acrescentaram 1,36 milhões de empregos desde Dezembro de 2007 ao passo que estados não-shale perderam 424 mil empregos".

Concentrados em ferir a Rússia, os americanos deixam de ver o que está a acontecer no seu próprio quintal.

Kerry & Abdula.Em 9 de Novembro, oGuardian escreveu : "John Kerry, o secretário de Estado dos EUA, alegadamente fechou um negócio com o rei Abdullah no mês de Setembro pelo qual os sauditas venderiam petróleo bruto abaixo do preço prevalecente no mercado. Isso ajudaria a explicar porque o preço tem estado a cair no momento em que, dada a tempestade no Iraque e na Síria provocada pelo Estado Islâmico, ele normalmente teria estado em ascensão". O conluio destina-se a enfraquecer a Rússia e golpear o Irão. A Arábia Saudita precisa que o preço esteja acima dos US$90 por barril para equilibrar suas contas. Mas um bocado de sofrimento é aceitável. Os sauditas estão a apostar em que poderão viver com um preço baixo por mais tempo do que os russos e os iranianos podem e que, portanto, a operação será por um período relativamente limitado. Mas até aqui isso não afectou a política externa nem da Rússia nem do Irão.

Tudo indica que os estados do Golfo Pérsico parecem sofrer mais. O custo de produção da Arábia Saudita é o mais baixo, mas as coisas são muito piores para os seus parceiros. A previsão da OPEP de 21 de Dezembro diz que a situação no mercado petrolífero está em vias de dar uma viragem e fazer os preços do "ouro negro" subirem outra vez. Evidentemente as declarações feitas por produtores de petróleo estão cheias de exasperação.

A Arábia Saudita, o principal exportador mundial de petróleo, disse em 21 de Dezembro que não cortaria a produção para apoiar mercados petrolíferos mesmo se nações fora da OPEP assim o fizessem, num dos mais fortes sinais de que planeia enfrentar a maior depressão de mercado em muitos anos. Ao falar numa conferência de energia em Abu Dhabi, o ministro saudita do Petróleo, Ali al-Naimi, culpou uma falta de coordenação dos produtores fora da OPEP – bem como os especuladores e informação enganosa – pela depressão. Disse ele: "A Arábia Saudita, com os demais países da OPEP, tentou restaurar o equilíbrio no mercado, mas a falta de cooperação dos países fora da OPEP bem como os especuladores e a propagação de informação incorrecta, levou à queda de preços". O ministro do Petróleo dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Mohamed Faraj Al Mazrouei disse o mesmo mais directamente declarando que uma das maiores razões que levaram à deterioração nos preços é a irresponsável produção de petróleo de alguns organismos não membros, alguns dos quais são novos no mercado de petróleo. Evidentemente ele refere-se aos Estados Unidos, responsáveis pela promoção de ofertas de shale oil nos últimos anos.

Há razões para acreditar que apesar de apoiar abertamente os Estados Unidos a Arábia Saudita joga o seu próprio jogo destinado a esmagar os competidores, incluindo a América, do mercado. Há algum tempo Riad costumava dizer que membros da OPEP não cortariam produção mesmo se o preço mergulhasse para os US$40 por barril. Com os preços a afundarem os produtores tradicionais de petróleo têm suficientes reservas para aguentarem isso através de um período de frugalidade ao passo que à indústria do shale dos EUA será aplicada uma bofetada mortal para que nunca mais se recupere.

As tendências económicas negativas já são visíveis nos EUA ao passo que a Rússia nem mesmo começou a tomar contra-medidas no momento em que grassa a guerra económica contra ela desencadeada. Há um vasto leque de opções abertas à Rússia. Ao ficarem fascinados pelas flutuações da divisa russa, os Estados Unidos não prestam atenção a coisas como a queda de preços nas suas bolsas de valores ou a política ambígua dos seus aliados.

Aqui não se pode senão concordar com as avaliações de Marin Katusa , da Chief Energy Investment Strategist, que diz: "É verdade que sanções poderiam tornar mais difícil para firmas russas terem acesso a know-how ocidental e, em última análise, afectar a produção petrolífera russa. Mas isso só se elas se arrastarem durante anos – o que é duvidoso, dado o preço que a UE já está a pagar. Um corte global na oferta de petróleo – e ainda mais forte no crescimento global – provavelmente reequilibrará o mercado petrolífero nesse ínterim". Os compradores de petróleo russo podem pagar em ouro, eles não precisam das notas verde. Não é preciso explicar o que está reservado ao dólar americano caso o façam. Os produtores russos de petróleo obtêm dólares pelas suas exportações e pagam impostos em rublos. Isto significa que nenhuma queda abrupta de receitas fiscais está iminente na Rússia. A Federação Russa pode também comutar para a utilização de rublos nos acertos do comércio de petróleo para depreciar o US dólar e promover a procura global da sua divisa nacional.

Ver também: 
  • Ruble, Oil, Shale Gas, Derivatives and American Hegemony , Federico Pieraccini 
  • From Energy War to Currency War: America's Attack on the Russian Ruble , Mahdi Darius Nazemroaya
  • Crude price drop triggers major layoffs in US oil industry 
  • The Dangerous Economics of Shale Oil – Today's lower prices will kill the shale 'miracle'

    O original encontra-se em www.strategic-culture.org/... 


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .